Novidades

Últimos artigos

Breve histórico da Educação de Jovens e Adultos (EJA)

- 22 de junho de 2017 Sem comentários
De acordo com a Lei 9394, de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), a educação de jovens e adultos destina-se, gratuitamente, aos cidadãos que não tiveram acesso ou continuidade em seus estudos no ensino fundamental e ensino médio na idade própria. Para ingressar no ensino fundamental, o aluno precisa ter idade maior de quinze anos, e para ingressar no ensino médio, idade maior de dezoito anos. De acordo com a mesma lei, um dos principais objetivos da educação é formar o cidadão com capacidade de aprender e obter domínio na leitura, na escrita e no cálculo, vinculando os saberes para o mundo do trabalho e à prática social. 

Breve histórico da Educação de Jovens e Adultos (EJA)


Apesar do objetivo em formar cidadãos nos ensinos fundamental e médio, a EJA tem suas peculiaridades, entre elas, pessoas com experiências de vida, que já estão inseridas no mundo do trabalho e que já participam de práticas sociais. Portanto, um dos principais desafios da Educação de Jovens e Adultos é adequar o currículo para esse público. 

A Educação de Jovens a Adultos iniciou no Brasil a partir da década de 1930, devido as transformações sociais, como a industrialização, promovendo um crescimento populacional nas grandes cidades. Em 1947, o Ministério da Educação (MEC) produziu, pela primeira vez, material didático visando a leitura e escrita para os adultos. 

Com diversas críticas ao sistema educacional de adultos (que visava somente os padrões silábicos, pequenas frases feitas com a mesma sílaba, e mensagens de moral e civismo), surgiu um movimento contra um ensino superficial, comandado por Paulo Freire no final da década de 1950. Com o pensamento pedagógico visando a autonomia e conscientização do aluno, e a busca constante do conhecimento, por meio das práticas e contexto de vida dos alunos, Paulo Freire inspirou diversos movimentos sociais de educação popular realizados por intelectuais, sindicatos, estudantes e igreja católica, no início da década de 1960, nos quais foram reprimidos pelo golpe militar de 1964, no qual o governo brasileiro lançou o Movimento Brasileiro de Alfabetização (MOBRAL), suprimindo todo o sentido crítico e problematizador na educação. 

Com o fim do período militar na década de 1980, extingui-se o MOBRAL, surge a Fundação Educar e retornam os movimentos para uma alfabetização conscientizadora, propostas por Paulo Freire. Houve um avanço no ensino da Língua Portuguesa e dá-se atenção à Educação Matemática, principalmente às suas operações básicas. Os próprios alunos se preocupavam com a Educação Matemática, pois sentiam a necessidade de aprender a calcular, devido às necessidades do cotidiano.

Com a extinção da Fundação Educar, em 1990, há um grande vazio na educação de adultos. Estados, municípios e algumas organizações da sociedade civil assumem o papel nesse modelo de educação, em certa época chamada também de ensino supletivo. Ao longo dos anos, poucas políticas educacionais são elaboradas, assim como poucos materiais didáticos, onde grande parte desses materiais são os mesmos do ensino regular, porém, pouco adaptados à realidade dos adultos.

Obs.: Esse texto faz parte do meu Trabalho de Conclusão de Curso da graduação em Pedagogia, com o tema: O Programa Etnomatemática na Educação de Jovens e Adultos. Repare que os próprios alunos sentiam a necessidade de aprender Matemática, pois é algo que usamos a todo momento em nosso cotidiano. 


Acompanhe as próximas postagens, fique atento! Para não perder nada, assine gratuitamente o nosso blog! 


Grande abraço e bons estudos! 

Breve histórico da Educação de Jovens e Adultos (EJA)


2ª Apostila digital gratuita de Matemática para concursos públicos

- 14 de junho de 2017 Sem comentários
Amigos, agora venho divulgar a 2ª apostila digital gratuita de Matemática para concursos públicos que fiz para o Jornal Folha Dirigida, especializado em concursos públicos. 

2ª Apostila digital gratuita de Matemática para concursos públicos


Continuando a parceria com o jornal, onde disponibilizei a 1ª Apostila digital gratuita de Matemática para concursos públicos no site do jornal, e algumas listas e exercícios no jornal impresso, agora disponibilizei essa apostila que também está no site do Jornal Folha Dirigida de forma gratuita, podendo acessar com um simples cadastro com e-mail ou também pelo Facebook. 

Em nossa 2ª apostila, temos 20 questões comentadas de Matemática em 25 páginas, com os conteúdos de Regra de Três Simples, Regra de Três Composta, Sistemas de Equações do 1º Grau, Operações com Números Reais, MMC e MDC. 

Acesse a nossa apostila pelo link: http: http://bit.ly/2rIJcCR


Prepare-se já!



Caso precisarem, trabalho com aulas particulares de Matemática, presenciais em SP (domicílio ou bibliotecas) e via Skype para todo o Brasil. Em caso de dúvidas, entre em contato no e-mail: contato@matematicaefacil.com.br ou nas redes sociais: Facebook, YouTube e Instagram

Trabalho com apostilas de concursos públicos, livros didáticos, e diversas provas de concursos anteriores que eu imprimo e resolvo, além de imprimir e resolver alguma prova específica que o aluno precisar. 


Conheça também meu Portfólio no link que também está neste blog.


Acompanhe as próximas postagens, fique atento! Para não perder nada, assine gratuitamente o nosso blog!


Grande abraço e bons estudos! 

2ª Apostila digital gratuita de Matemática para concursos públicos


Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

- 8 de junho de 2017 Sem comentários
Com um misto de História da Matemática e da Educação Matemática, História da Humanidade, um grande acervo sobre a África (com alguns de seus diversos sistemas de numeração, a Matemática no antigo Egito e seus papiros, e a utilização da Matemática em sua cultura) e estudos sobre o Programa Etnomatemática, apresentamos a vocês, a Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano. 

Em nosso blog, já temo artigo sobre o Programa Etnomatemática e alguns sobre a Matemática no Continente Africano. Agora, disponibilizo as imagens dos slides em Power Point de uma apresentação que fiz para escolas, em parceria com um grupo de estudos étnico-raciais da Universidade de São Paulo (USP), com os temas abordados acima.

Segue abaixo as imagens dos slides, e no final de cada tópico abordado, tem o endereço com o artigo completo em nosso blog. 


Acompanhe as próximas postagens, fique atento! Para não perder nada, assine gratuitamente o nosso blog!


Grande abraço e bons estudos!


Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano


Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano


Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano

Etnomatemática – A Matemática no Continente Africano